Hipoglicemia


Em busca da redução das taxas de glicemia para adequá-las ao padrão ideal, é comum o portador de diabetes passar por episódios de hipoglicemia, situação que caracteriza a baixa de açúcar no sangue. O quadro se instala quando há muita insulina na corrente sanguínea e açúcar insuficiente para chegar ao cérebro e comandar o funcionamento dos músculos.

A reação do organismo à baixa de açúcar no sangue pode ocorrer quando:

  • O paciente toma a medicação, mas não come na hora certa
  • O paciente não come o suficiente para suprir a medicação que tomou
  • O paciente pula uma refeição
  • O paciente faz mais exercícios do que o habitual

É importante reconhecer e reverter a baixa de açúcar no sangue assim que os primeiros sintomas aparecem. Os indícios que caracterizam a hipoglicemia são considerados suaves, moderados ou severos, podendo evoluir de um grau a outro, se não tratada.

Hipoglicemia Suave Hipoglicemia Moderada Hipoglicemia Severa

Fome repentina

Mudança de personalidade Desmaios
Tontura Dor de cabeça Convulsões
Tremores Irritabilidade  

Nervosismo

Visão turva  
Taquicardia/Coração disparado Confusão ou dificuldade de concentração  
Sonolência, cansaço Pouca coordenação  
Transpiração Distorções na fala ou fala lenta  

Dormência ou formigamento na boca ou lábios

   

Tratando a hipoglicemia

Antes de tratar a hipoglicemia, é aconselhável que o paciente certifique-se de que o nível de açúcar no sangue está baixo. A confirmação pode ser feita com um teste de glicemia.

Como as reações da hipoglicemia se instalam devido à quantidade insuficiente de açúcar no sangue, o tratamento se resume no consumo de algum alimento doce. A média de tempo para que o açúcar do alimento seja absorvido pelo organismo e surtir efeito é de 15 minutos.

Na hora de reverter quadros de hipoglicemia, é fundamental que o paciente não extrapole na quantidade de alimentos ou bebidas doces. Caso o açúcar exceda a porção adequada de 15 g, a situação pode passar de hipoglicemia à hiperglicemia (alta de açúcar no sangue). A quantia corresponde a um copo pequeno (150 ml) de suco de laranja ou de refrigerante não dietético.


O paciente ainda pode recorrer a produtos especificamente voltados ao tratamento de hipoglicemias, como sachês de glicose. Quando o nível de açúcar no sangue for inferior a 60 mg/dl, é preciso tratar o quadro com mais de 15 g de glicose. Contudo, doces, como chocolates, devem ser evitados, já que contêm gordura e tornam o processo de aumento do açúcar no sangue mais lento.

Passados 15 minutos do consumo de glicose, uma segunda ponta de dedo é recomendada, a fim de verificar se a glicemia voltou aos padrões ideais. Caso isso não ocorra, o paciente deve repetir o consumo de glicose e, em seguida, realizar outro teste de glicemia.


Se o nível de açúcar no sangue cair muito, é possível que o paciente desmaie. Quando a pessoa está inconsciente, alimentos e líquidos não podem ser oferecidos. O paciente requer uma injeção de glucagon, hormônio que atua de forma oposta à insulina. Casos mais graves necessitam do auxílio de serviços de emergência médica. 

Condutas que previnem episódios de hipoglicemia 

  • Comer e tomar os remédios ou a insulina no horário e doses corretos    
     
  • Certificar-se de que as porções das refeições são suficientes para suprir os medicamentos tomados 
     
  • Não consumir álcool em jejum 
     
  • Sempre carregar algum alimento fonte de carboidrato na bolsa
     
  • Ter cautela com os horários das refeições, da ingestão de medicamento e da aplicação de insulina   
     
  • Planejar a prática de exercícios e aumentar o consumo de alimentos ricos em carboidratos, caso o exercício se estenda ao período programado 
     
  • Relatar episódios inexplicáveis de hipoglicemia ao médico
     

A queda de açúcar no sangue também pode ocorrer durante a noite. Para evitar estes episódios é preciso:

  • Verificar o nível de açúcar no sangue ao se deitar. Se o resultado for inferior a 120 mg/dl, talvez seja necessário comer um lanche contendo carboidratos e proteínas. 
     
  • Se o nível de açúcar costuma ser alto pela manhã, o paciente precisa fazer um teste de glicemia durante a madrugada, por volta das 3h da manhã. Já quando o nível de açúcar costuma amanhecer baixo, talvez o paciente precise de uma dose menor de insulina intermediária (NPH) ou de uma insulina de ação lenta à noite. Porém, estas alterações na conduta terapêutica devem ser orientadas por um médico.  
     
  • Familiares e/ou companheiros devem atentar a pesadelos, suadouros noturnos, e apreensões durante a noite, pois são indícios de hipoglicemia noturna. Dor de cabeça matinal é mais um sintoma do quadro. Além de reconhecer tais reações, os acompanhantes precisam se preparar para reverter a baixa de glicose, oferecendo sachês de glicose aos pacientes, se necessário.

 



Nota Importante: O conteúdo deste site não se destina a ser um substituto para aconselhamento médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Não desconsidere o conselho do seu médico ou demora na procura por causa de algo que você leu neste website.

Salvo menção contrária, BD, o Logo BD e todas as outras marcas BD são de propriedade da Becton, Dickinson and Company. © 2014 BD